Comentários sobre o Romance

de Fábio Siqueira do Amaral.

Terminei a pouco a leitura do romance “OS ETERNOS CLONES”.


Por conhecer as qualidades artísticas do autor em diversas áreas, não me surpreendeu a excelente qualidade do seu belo romance.
Li com real prazer a saga do ERMITÃO. Foi uma leitura fácil, pois o autor prende a atenção do leitor desde o primeiro parágrafo da ficção por ele criada. Com técnica primorosa, numa narrativa fluente e descomplicada, o autor cria os personagens com suas idiossincrasias, os ambientes e  tece, com maestria ímpar,   sua estória. Evita preciosismos retóricos que cansariam o leitor e quebrariam o ritmo da leitura tornando-a enfadonha como acontece com os longos comerciais nos intervalos dos filmes e novelas na televisão

Assim como nos grandes romancistas: Dostoievski, Pasternak, Papini,  Steinbech, Guimarães Rosas, Dickens, entre outros, os nomes e apelidos de alguns  personagens, por mais extravagantes que  pareçam no início, acabam por se integrar e facilitar o acompanhamento do desenrolar da trama.

A cada capítulo lido mais sobe a curiosidade do leitor pelo desfecho da história e nesse afã vai captando, nas entrelinhas, as mensagens de elevado conteúdo moral do autor, assim como seu desencanto com relação ao estagio atual do homem  civilizado. Como deixa claro pela boca dos personagens, com toda a razão, que em regra e com proporcionalmente pouquíssimas exceções, o ser humano, por natureza desonesto, egoísta, invejoso, cúpido, desleal, infiel,  mau  e despido, quase que totalmente, de virtudes está se dirigindo para o abismo.

Este excelente livro além de retratar a sociedade como ela realmente é, faz a apologia das virtudes nas pessoas integras: do Ermitão, dos padres, da família do hoteleiro Pedro, -  especialmente da Martinha – e outros poucos.

        É libelo contra a degradação dos costumes e a conseqüente degradação da família e da sociedade.

         Merece ser lido com atenção!